hostconect.net
Jornal do Brás Advertisement
Início
18-Ago-2019
 
 
Menu Principal
Início
Edições
Notícias
Expediente
Links
Contato
Procurar
A História do Jornal
Jornalista Edu Martellotta
Cadastro de Empresas
Onde estamos
Campanha de Assinaturas
Jornal "O Braz"
Revista O Brazinha
Aniversário do Brás
EDIÇÃO 368 - 1ª quinzena de agosto/2019
Image                    

Redes Sociais
Image


Jornal do Brás

 

Image

 

Jornal do Brás

 

 

Image

 

Tarde de Chá

Login





Esqueceu a senha?
Sem conta? Criar Conta!
Estatísticas
Visitas: 6329447
Difusão de Notícias
Crianças de 5 anos também fazem biometria de RG
Classificação: / 0
18-Jul-2019
Image

Tirar o RG de crianças de até 5 anos ficou mais fácil, graças a uma mudança no procedimento de coleta das impressões digitais. Até recentemente, o Instituto de Identificação de São Paulo (IIRGD) não aceitava a coleta biométrica de crianças com idade inferior a cinco anos, e o procedimento para elas precisava ser feito com tinta nos dedos carimbados no papel, como era antigamente para todos os cidadãos, antes da introdução da coleta biométrica digital.

Agora, com a disposição do Governo de São Paulo de eliminar o uso de papel em todos os órgãos públicos estaduais, o Instituto de Identificação baixou uma nova orientação técnica que já está sendo seguida em todas as 73 unidades do Poupatempo no Estado de São Paulo. A nova norma estabelece que as crianças, independentemente da idade, terão a coleta eletrônica padrão das digitais na hora de tirar o RG. Em 2017 e 2018, mais de 820 mil crianças de até 5 anos tiraram o RG no Estado de São Paulo, segundo dados do Instituto de Identificação (IIRGD).

"Além da economia de papel, os arquivos digitais também facilitam a busca de informações no sistema, dando mais agilidade para os serviços de pesquisa", afirma André Arruda, Diretor Presidente da Prodesp, empresa de Tecnologia da Informação do Estado que gerencia os postos Poupatempo e que está implantando o programa SP Sem Papel na Administração Estadual.

 

 
Paulo Bomfim, triste perda na Poesia e Literatura
Classificação: / 0
18-Jul-2019
Image


Registramos, com pesar, o falecimento do “Príncipe dos Poetas Brasileiros”, poeta Paulo Bomfim, aos 93 anos, dia 7 de julho último.

Bomfim era o membro mais antigo da Academia Paulista de Letras, foi também historiador, cronista e memorialista. Ele faleceu no Hospital Beneficência Portuguesa, após complicações resultantes de uma queda.

Poetas não morrem, eles se transformam em palavras”, dizia o poeta Paulo Bomfim.

Foi autor do extraordinário livro “Janeiros de Meu São Paulo”.

 
Depois da previdência, as privatizações
Classificação: / 0
18-Jul-2019
Image

                “Me aponte uma só estatal eficiente. Não existe”. A fala grave é de Salim Mattar, o responsável pelas privatizações no governo. Depois que a reforma da Previdência (votada em 1º turno no Congresso Nacional) estiver concluída, será a vez da transferência das empresas estatais para a iniciativa privada e da retirada do dinheiro público de empresas onde hoje o governo é sócio. A ideia é que, até o final do ano, sejam desmobilizados US$ 20 bilhões, um dinheiro que poderá abater o déficit ou ser investido em reais obrigações de governo, tais como saúde, educação, segurança, etc.

                O plano de privatizações do governo Bolsonaro tem como meta reaver R$ 990 bilhões nos quatro anos. Existem no país um total de 440 empresas estatais, sendo 134 controladas pela União e as demais por estados e municípios. Segundo cálculos oficiais, tais empresas, a maioria deficitárias, custam aos cofres púbicos R$ 15 bilhões por ano. Mattar justifica sua avaliação grave sobre as estatais, destacando que mesmo as rentáveis, se precisam de monopólio para ter essa boa condição, estariam melhor se operadas pela iniciativa privada. Seriam os casos dos deficitários Correios e até da superavitária Petrobrás, tida como a joia da Coroa.

                A existência de empresas estatais só se justifica quando o país necessita de serviços de infraestrutura e não há particulares com capacidade financeira ou disposição para executá-los. A discussão sobre a utilidade dessas empresas é antiga e, lamentavelmente, enveredou pelo caminho ideológico e irresponsável durante todos os anos da Nova República, quando o país foi governado ou controlado pela chamada social-democracia. Em vez de focadas em prestar serviços à sociedade, sua verdadeira dona, tornaram-se cabides de empregos e moeda de troca política. Isso é um dos componentes do déficit dos governos, mas rendeu votos aos que pretenderam se eternizar no poder.

                Desburocratização e desestatização constituem grande tese e cabem em qualquer governo. Ambas fazem parte do programa de Bolsonaro. Se consegui-las, o país dará enormes passos rumo ao progresso e à normalidade. Mas é bom lembrar que a cabeça dos congressistas ainda está cheia de clientelismo e troca de vantagens. Foram pelo menos 30 anos mercadejando votos, poder e influência. São vistas todos os dias demonstrações inequívocas de que a vontade de muitos é continuar o nefasto escambo. Oxalá não consigam...

               

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar activado para poder visualizar o endereço de email                        

 

 
<< Início < Anterior | 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 | Próximo > Final >>

Resultados 61 - 64 de 5628
Enquete
Que lugar é o símbolo do Brás?
 
Usuários On-line
Temos 4 visitantes on-line
Utilidades Públicas
Fones da Região
Subprefeituras
Poupatempo
Busca CEP
Links Úteis
Parceiros

Image











Image


 



Image 

 

 

 

 

Image

 

 

Image

 

 

 

 

 

 

 

Image

 

 

 

 

Image

 

 

 

Image

 
Top! Top!