hostconect.net
Jornal do Brás Advertisement
Início seta Notícias seta Edição 374 seta QUALIDADE DE VIDA
09-Dez-2019
 
 
Menu Principal
Início
Edições
Notícias
Expediente
Links
Contato
Procurar
A História do Jornal
Jornalista Edu Martellotta
Cadastro de Empresas
Onde estamos
Campanha de Assinaturas
Jornal "O Braz"
Revista O Brazinha
Aniversário do Brás
EDIÇÃO 376 - 1ª quinzena de dezembro/2019
Image                            

Redes Sociais
Image


Jornal do Brás

 

Image

 

Jornal do Brás

 

 

Image

 

Tarde de Chá

Estatísticas
Visitas: 6933137
Flash de Notícias

A partir de agora estarão disponiveis para downloads as Edições do Jornal do Brás em pdf, para que o internauta leia na íntegra o nosso jornal. Entre na seção de Edições do menu principal.

Caso não tenha um leitor de PDF, entre em www.adobe.com e baixe a última versão do Adobe Reader.

Webmaster

 
QUALIDADE DE VIDA PDF
Classificação: / 0
FracoBom 
08-Nov-2019
Image

Frustração: o confronto com a realidade

Marisa Moura Verdade

 

Frustração é um tema amplo, envolve todo tipo de dificuldades que afetam os seres humanos. É um sentimento que participa da vida  familiar, das relações sociais,  dos estudos,  do amor e  do sexo, do trabalho,  do lazer, dos investimentos. Em cada experiência frustrante encontramos uma dinâmica central: o embate entre nossos desejos e uma realidade inabalável. Na perspectiva psicológica, trata-se de uma resposta emocional diante das situações de impedimento, fracasso ou  perdas. Sentimos frustração quando nossas expectativas não são satisfeitas. Tal sensibilidade pode ter motivos internos e externos. Causas internas envolvem constrangimentos, limitações e incapacidades pessoais. Um exemplo é a timidez, traço de personalidade que pode gerar falta de confiança, acanhamento diante dos outros e medos  paralisantes, condições que inibem a ação focada  na realização de objetivos pessoais. As causas externas pressupõem bloqueios fora do controle individual, tais como acidentes, engarrafamentos, perda de tempo em filas.

Frustrações provocam reações afetivas desagradáveis, como pesar, impotência e raiva. Muitas pessoas sentem pena de si mesmas quando são frustradas, julgam-se insignificantes e sofrem com essa autoestima rebaixada. Quem tem pouca tolerância à frustração apresenta respostas emocionais mais intensas. Nesses casos, além da decepção são incorporados afetos como  indignação, impotência e desesperança, tornando a frustração um estado psicológico estável. Acostumar-se com expectativas que nunca se realizam leva a sentir que a vida não tem sentido, não vale a pena ser vivida. Esse estado de ânimo não deve ser subestimado. A dificuldade de lidar com frustrações gera defesas psicológicas variadas.  A fuga é uma delas.  São muitas as maneiras de fugir dos efeitos dolorosos das  frustrações: via bebida, drogas ou excesso de comida, por exemplo. O desânimo também é comum, pode invalidar a necessidade de rever  metas e procedimentos pessoais, afinal - “nada dá certo mesmo”.  Depressão e ideias suicidas estão a um passo dessa psiquê desacorçoada. Quem apresenta baixa resistência à frustração precisa de apoio e incentivo  das pessoas mais próximas. Precisa igualmente de acompanhamento psicológico, caso o sofrimento seja intenso e prolongado. 

Conviver com frustrações é tarefa difícil, mas é possível aprender a lidar com a irritabilidade que provocam. Contratempos sempre acontecem. Às vezes, a vida traz desilusões e traumas que exigem paciência para suportar o que não tem conserto, determinação e empenho para criar alternativas positivas. Nesse contexto, o confronto com situações frustrantes pode ser uma  luz no fim do túnel.

Frustração é a dor que sentimos diante do NÃO imposto por uma realidade. Esse NÃO cria experiências valiosas  para desenvolver  a capacidade de  adiar  satisfações. O adiamento de um prazer é fundamental ao desenvolvimento psicológico, pois transforma obstáculos e perdas em instrumentos do amadurecimento emocional. Por isso, lidar com frustrações é lidar com a realidade. Cada pessoa aprende a gerir expectativas vivendo as próprias experiências. Não existe um programa de crescimento emocional que funcione com todo mundo. Porém, a maioria aprende que é preciso exercitar a humildade e  a paciência para ajustar seus desejos à realidade, evitando expectativas  irreais e  otimismo cego. Quanto maior a  capacidade de reconhecer e avaliar as circunstâncias, maior a chance de encontrar maneiras de adaptar-se a elas, traçando novas metas e novos caminhos.

 

* Psicóloga, Mestre em Educação Ambiental. Doutora em Psicologia do Desenvolvimento Humano. Especialização em  Psico-Oncologia,   pesquisadora do Laboratório de Psicologia Social da Religião do IP-USP.  Autora do livro Ecologia Mental da Morte. A troca simbólica da alma com a morte. (Editora Casa do Psicólogo & FAPESP). E-mail:  Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar activado para poder visualizar o endereço de email   

 
< Anterior   Próximo >
 
Top! Top!