hostconect.net
Jornal do Brás Advertisement
Início seta Notícias Jornal do Brás seta Edição 342 seta STF decreta: a condução coercitiva é inconstitucional
29-Fev-2020
 
 
Menu Principal
Início
Edições Jornal do Brás
Notícias Jornal do Brás
Expediente
Links
Contato
Procurar
A História do Jornal
Jornalista Edu Martellotta
Cadastro de Empresas
Onde estamos
Campanha de Assinaturas
Jornal "O Braz"
Aniversário do Brás
Revista O Brazinha
Edições Jornal do Belém
EDIÇÃO 381 - 2ª quinzena de fevereiro/2020
Image                                  

Jornal do Belém Ed 1 - 20/01/2020
Image
Redes Sociais
Image


Jornal do Brás

 

Image

 

Jornal do Brás

 

 

Image

 

Tarde de Chá

Estatísticas
Visitas: 7383417
Flash de Notícias

Gostaria de receber nossas novidades? cadastre-se aqui e receba o nosso newsletter, sempre ficará por dentro de tudo do nosso jornal. Agora se realmente quer novidades sobre nossas edições e atualizações de nosso site em tempo real, adcione o nosso feeds RSS no seu programa predileto de leitor de notícias.

 
STF decreta: a condução coercitiva é inconstitucional PDF
Classificação: / 0
FracoBom 
21-Jun-2018
Image

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Luiz Flávio Borges D’Urso

 

O Supremo Tribunal Federal concluiu o julgamento das ADPFs, propostas pela OAB e outra pelo PT e, por 6 votos a 5, declarou inconstitucional o art. 260 do Código de Processo Penal, que prevê a condução coercitiva no Brasil.
Para o advogado criminalista Luiz Flávio Borges D’Urso, “o Supremo concluiu corretamente, pois decidiu garantindo ao cidadão um preceito fundamental emanado de nossa constituição federal”.
D’Urso que é Mestre e Doutor em Direito pela USP, afirmou que “a constituição brasileira assegura que ninguém está obrigado a fazer prova contra si mesmo, além do que, o investigado ou acusado tem o direito de permanecer calado, portanto, a condução coercitiva, por si só, já representa uma violência do Estado contra o cidadão, absolutamente imprópria numa democracia”.
Quanto ao momento atual, D’Urso que é o Presidente de Honra da Associação Brasileira dos Advogados Criminalistas - ABRACRIM, insiste que “muitos abusos foram cometidos por autoridades que, antes mesmo de intimar o cidadão a prestar um depoimento, o conduziam coercitivamente, para o simples ato de depôr, violando até o art. 260 do CPP, hoje considerado pelo STF, inconstitucional” e completa “tudo isso, lamentavelmente, transformado num grande espetáculo de mídia, destruindo reputações, num verdadeiro linchamento moral do conduzido”.
A ação movida pela OAB, revela, segundo D’Urso, que foi Presidente da entidade em São Paulo, por 3 gestões, “que a sociedade civil tem na Ordem dos Advogados do Brasil, uma liderança de prontidão, para reagir às violações dos direitos da cidadania, cometidos historicamente pelo Estado”.
O STF, “com esta decisão, assegurando as garantias individuais do Art. 5., apesar do placar apertado, resgata seu papel de guardião da constituição federal, trazendo um alento, de que não frustará, em futuros julgamentos, as esperanças da nação, que por sua opção, escolheu viver sob um Estado Democrático de Direito” conclui D’Urso.

 

 
< Anterior   Próximo >
 
Top! Top!