hostconect.net
Jornal do Brás Advertisement
Início seta Notícias seta Edição 335 seta Alasitas faz 11ª festa na Coimbra
22-Mai-2018
 
 
Menu Principal
Início
Edições
Notícias
Expediente
Links
Contato
Procurar
A História do Jornal
Jornalista Edu Martellotta
Cadastro de Empresas
Onde estamos
Campanha de Assinaturas
Jornal "O Braz"
Revista O Brazinha
Aniversário do Brás
EDIÇÃO 340 - 1ª quinzena de maio/2018
Image
Curta-nos, siga-nos
Image


Jornal do Brás

 

Image

 

Jornal do Brás

 

 

Image

 

Tarde de Chá

Estatísticas
Visitas: 4269984
Flash de Notícias

Todo 1º domingo do mês, o Movimento Poético de São Paulo faz sarau no Parque do Piqueri

 
Alasitas faz 11ª festa na Coimbra PDF
Classificação: / 0
FracoBom 
08-Fev-2018


Eduardo Martellotta

 

A tradicional Festa de Alasitas comemorou a 11ª realização na rua Coimbra, bairro do Brás, na data magna, dia 24 de janeiro.

Alasitas é uma feira que reúne todas as camadas sociais da Bolívia, centrada em miniaturas, que fazem parte do imaginário dos aymarás, nome de um povo e respectiva língua da Bolívia.

Nela se passam todos os desejos de fartura, prosperidade e sorte para o ano que se inicia. A palavra Alasita vem do idioma aymará e significa “compre de mim”. Este evento tem base na cidade de La Paz, mas também pode ser visto em outras cidades da Bolívia. Tem como principal característica a venda de miniaturas que tem uma finalidade ritual. Há, principalmente, miniaturas de coisas que fazem parte do universo doméstico, como fogões e geladeiras. Há também casas, carros, e malas de dinheiro. Galos e galinhas garantem amor.

Outras miniaturas interessantes que se pode comprar são carrinhos de supermercado cheios. Enfim, todo aquele bem material que alguém possa desejar.

 

Tradição de 237 anos

A tradição da feira teve início em 1781, quando o governador de La Paz, Sebastián Segurola, determinou que se celebrasse uma festa anual em homenagem à divindade pré-colonial chamada Ekeko (deus da Abundância). Essa homenagem se devia ao fato de a cidade de La Paz ter sobrevivido ao cerco comandado por Túpac Katari e que durou 109 dias (em uma das maiores rebeliões indígenas contra o domínio espanhol na região do Alto Peru).

Image

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Image

 

 

 

Rene Barrientos do Instituto de Culturas e Justiça da América Latina e do Caribe (à esquerda na foto), também diretor da Coopsbras, foi um dos organizadores da festa

 

 

 

 

 

 

Image

 

 

Olha ela aí! Celina Castro voltou, cantou e encantou o público boliviano na Coimbra em efusiva apresentação

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Image

 

 

 

Fraternidad Folclórica Salay Bolívia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Image

 

 

 

 

A venda de miniaturas é a característica principal na festa

 

 
< Anterior   Próximo >
 
Top! Top!