hostconect.net
Jornal do Brás Advertisement
Início seta Notícias Jornal do Brás seta Edição 278 seta Palmeiras comemora 101 anos de glórias
24-Jan-2020
 
 
Menu Principal
Início
Edições Jornal do Brás
Notícias Jornal do Brás
Expediente
Links
Contato
Procurar
A História do Jornal
Jornalista Edu Martellotta
Cadastro de Empresas
Onde estamos
Campanha de Assinaturas
Jornal "O Braz"
Aniversário do Brás
Revista O Brazinha
Edições Jornal do Belém
EDIÇÃO 379 - 2ª quinzena de janeiro/2020
Image                               

Jornal do Belém Ed 1 - 20/01/2020
Image
Redes Sociais
Image


Jornal do Brás

 

Image

 

Jornal do Brás

 

 

Image

 

Tarde de Chá

Estatísticas
Visitas: 7196220
Flash de Notícias

Caro Internauta, continuamos a disponibilizar nossas edições em PDF publicamente e para receber nossas novidades é só fazer o cadastro clicando aqui assim será sempre avisado de nossos conteúdos e eventos.

 att,

 Equipe Jornal do Brás

 
Palmeiras comemora 101 anos de glórias PDF
Classificação: / 0
FracoBom 
19-Ago-2015


Seus fundadores eram oriundos do Brás

 

Eduardo Martellotta

 

Ano de 1914. Luigi Cervo, então jovem funcionário administrativo das Indústrias Matarazzo, que jogava futebol pelo S.C Internacional da capital, teve a ideia de fundar um clube que representasse toda colônia italiana de São Paulo, que até então não existia. A cidade tinha 25% da sua população vinculada a essa colônia. Após reunir vários amigos em torno da ideia, convenceu outro jovem, Vicente Ragognetti, jornalista, poeta e escritor, a se envolver.

A primeira reunião foi numa quarta-feira, 19-8-1914, com 37 presentes e ficou marcada por muita discussão em torno do objetivo primordial do novo clube. Parte deles queria um clube voltado a atividades artísticas e literárias, enquanto que a maioria queria um clube focado no futebol. Assim, Luigi Cervo e os amigos marcaram outra reunião, para a quarta-feira da semana seguinte, 26-8-1914. Estava fundada a Società Sportiva Palestra Itália, por Luigi Cervo, Vicente Ragognetti, Luigi Marzo e Ezequiel Simone. O local: rua Marechal Deodoro, 2, Salão Alhambra (loja de bolsas famosa na época). O endereço hoje é a Praça da Sé. Entre os 46 presentes, absolutamente nenhum fazia parte ou foi membro do S.C Corinthians Paulista, fundado quatro anos antes. Eram em sua grande maioria moradores do Brás e funcionários das Indústrias Matarazzo.

O Palestra Itália fez sua primeira partida dia 24-1-1915 – Palestra Itália 2 x 0 Savóia (amistoso). Começou a mandar os jogos no Parque Antarctica, e o comprou em 1920. Abocanhou os títulos paulistas de 1920, 1926 (invicto), 1926 (extra), 1927, 1932 (invicto), 1933, 1934, 1936, 1938 (extra) e 1940.

 

O Palestra vira Palmeiras

Por ocasião da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), o Palestra foi obrigado a mudar de nome, para Sociedade Esportiva Palmeiras, em 1942.  Como Palmeiras, o time da colônia italiana faturou em seguida os títulos paulistas de 1942, 1944, 1947, 1950 e 1959 (supercampeão). O goleiro Oberdan Cattani fez história de 1941 a 1954.

A conquista da Copa Rio de 1951, em cima da Juventus, de Turim, no Maracanã, serviu como um estímulo ao futebol brasileiro, um ano após o fracasso da derrota na final da Copa do Mundo de 1950. O Verdão foi recentemente chancelado pela FIFA como o Primeiro Campeão do Mundo.

Na década de 1960, eis que surge a Primeira Academia. Único time paulista a bater de frente com o Santos de Pelé. Aquele esquadrão levantou os Paulistas de 1963 e 1966. Em 1960, vence seu primeiro Campeonato Brasileiro, de forma invicta, depois a Taça Brasil e o Torneio Roberto Gomes Pedrosa em 1967, e também o Brasileirão de 1969.

 

Segunda Academia e o Divino Ademir da Guia

Nos anos de 1972-1973, vieram o Paulistão de 1972 (invicto) e o Bi-Brasileiro. Era a chamada Segunda Academia, que durou até 1976. Com ela, chegaram ainda os títulos de 1974 e 1976 no Paulista. O time contava com grandes craques: Leão, Eurico, Luís Pereira, Leivinha, Edu Bala, Ney, Dudu, Ademir da Guia, Jorge Mendonça, Pires, César Maluco e outros.

 

Era Parmalat 

O Palmeiras amargou 17 anos sem um título sequer. Até que em 12 de junho de 1993, Dia dos Namorados, o Verdão goleou o Corinthians por 4 a 0 na final do Paulista, sagrando-se Campeão. O time havia iniciado no ano anterior um contrato de co-gestão com a Parmalat. Muitos craques vestiam o manto palmeirense – Evair, Edmundo, César Sampaio, Edilson, Cléber, Roberto Carlos, Zinho e outros. Os títulos voltaram: Bicampeão Paulista e Bicampeão Brasileiro em 1993-1994, Campeão do Torneio Rio-São Paulo em 1993, e Campeão Paulista de 1996, com uma campanha impecável: 27 vitórias, 2 empates e apenas 1 derrota, com 102 gols marcados. Nesse ano, astros como Luizão, Cafu, Djalminha, Rivaldo e Muller vestiram a camisa alviverde. Muitos chamavam aqueles timaços de Terceira Academia.

Em 1998, com os títulos da Copa do Brasil e da Copa Mercosul, o Palmeiras se preparava para seu maior objetivo, conquistar a Taça Libertadores da América. Em 16-6-1999, veio a tão sonhada Libertadores, na final contra o Deportivo Cali, vencida nos pênaltis em pleno Parque Antarctica – jogavam pelo clube São Marcos, Euller, Paulo Nunes, Oséas, Alex, Evair e outros. Depois vieram o Rio-São Paulo e a Copa dos Campeões, em 2000 – final da Era Parmalat, e o Paulista de 2008, tendo como destaque o Mago Valdivia. O último título foi na Copa do Brasil, em 2012. Com a inauguração do moderníssimo Allianz Parque em 19-11-2014, o Verdão promete voltar a brigar por títulos.

Curiosidades do Verdão

Quem mais fez gols:
Heitor (1916 a 1931) - 173 gols em 172 partidas

Maior Goleada:
Palestra Itália 11 x 0 Internacional
8 de agosto de 1920

Inauguração Oficial do Estádio Palestra Itália:
Palestra Itália 6 x 0 Bangu
13 de agosto de 1933

Fonte: Palmeiras

 

Image

Estádio do Parque Antarctica em 1922

 

 

 

 

 

 

 

Image

Palestra Itália Campeão Paulista de 1926

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Image

Divino compara as duas Academias

Ao Jornal do Brás, o Divino Ademir da Guia explicou que existiam diferenças entre a Primeira Academia, da década de 1960, e a Segunda Academia, da década de 1970. Ademir jogou em ambas, no período de 1961 a 1977, e era caracterizado pela classe unida ao talento com a bola nos pés.

Ele lembrou que, quando chegou ao Verdão, encontrou naquele elenco jogadores já consagrados, como Djalma Santos, Djalma Dias, Vavá, Zequinha, Chinesinho, Julinho Botelho e Geraldo Scotto, sendo Djalma Santos e Vavá campeões mundiais pela Seleção Brasileira. “Aprendi muito com eles. Fiquei bastante tempo na reserva deles” – lembrou o carioca Ademir da Guia, filho do também craque Domingos da Guia. Os craques daquela Academia eram comandados por Filpo Núñez.

Em 1965, O Divino esteve no time do Palmeiras que representou o Brasil contra o Uruguai na inauguração do Estádio do Mineirão. Vitória por 3 a 0 da “SeleVerdão”.

 

Segunda Academia: jovens craques vindos do interior

Em relação à Segunda Academia, Ademir atuou com jogadores jovens, que haviam chegado do interior, como Leão, Eurico e Luís Pereira. Zeca veio do Sul. “Esse time, que jogou junto de 1972 a 1975, dava muitas alegrias à torcida, porque chegava às finais e ganhava” – contou ele, se recordando que, sob o comando de Oswaldo Brandão, o alviverde conquistou os Paulistas de 1972 e 1974, os Brasileiros de 1972 e 1973 e o Troféu Ramón de Carranza em 1974 e 1975. Dudu foi o grande parceiro de Ademir no meio-de-campo, durante 12 anos no Verdão. Segundo o Divino, Dudu sabia, além de defender, ajudar no meio-de-campo. “Ele marcava muito bem os adversários” – lembrou Ademir, finalizando a entrevista. Divino assinalou 154 gols no Palmeiras, tendo disputado 903 jogos – é o jogador que mais vezes vestiu a camisa do Verdão. Sua despedida foi em 1984 no Estádio do Canindé.

 

 

Sampaio lembra títulos da década de 1990

Image

Um dos craques da “Era Parmalat” (1992-2000) foi César Sampaio. Atualmente residindo em Joinville-SC, Sampaio disse, ao Jornal do Brás, que quando criança era palmeirense, e que vestir o manto alviverde foi para ele, a realização de um sonho. Durante os dois períodos em que atuou pelo Verdão, de 1991 a 1994 e 1999-2000, César Sampaio foi o capitão absoluto da equipe. Em 307 jogos pelo clube, marcou 24 gols.

 

 

 

 

Image

Hoje aos 47 anos, ele se recorda que o título paulista de 1993 foi o mais importante da sua carreira. “Havia muita pressão no clube naquela época, o Palmeiras vivia um jejum de 17 anos sem títulos”. A conquista da Taça Libertadores da América de 1999 também é exaltada por ele. “Agradeço a Deus por me dar esta oportunidade. Levantei a taça como capitão”, disse Sampaio, acrescentando que na década de 1990, o Palmeiras e o São Paulo eram base da Seleção Brasileira, cuja camisa canarinho ele representou muito bem na Copa do Mundo de 1998, marcando 3 gols.

Sampaio atuou também como gerente de futebol do Palmeiras de 2011 a 2012. Atualmente é superintendente de futebol do time Joinville.

 

 

Outros craques do Verdão

Image

Heitor, o maior artilheiro

 

 

 

 

 

 

Image

Luís Pereira, eficiente na marcação, fazia gols também

 

 

 

 

 

 

 

 

Image

Dudu, eterno parceiro de Ademir

 

 

 

 

 

 

 

Image

Evair quebrou o jejum em 1993

 

 

 

 

 

Image

São Marcos, herói da Libertadores

 

 

 

 

 

 

 

 

Image

Valdivia, o Mago

 

 

 

 

 

 

Image

 

 

Fiori, saudoso torcedor de primeira grandeza

 

 

 

 

 

 

 

Image

 

 

 

Filho de italianos, Vicente Martellotta Neto é um extremoso torcedor do Verdão

 

 

 

 

 

 

 

 
< Anterior   Próximo >
 
Top! Top!