hostconect.net
Jornal do Brás Advertisement
Início seta Notícias Jornal do Brás seta Edição 269 seta QUALIDADE DE VIDA
24-Fev-2020
 
 
Menu Principal
Início
Edições Jornal do Brás
Notícias Jornal do Brás
Expediente
Links
Contato
Procurar
A História do Jornal
Jornalista Edu Martellotta
Cadastro de Empresas
Onde estamos
Campanha de Assinaturas
Jornal "O Braz"
Aniversário do Brás
Revista O Brazinha
Edições Jornal do Belém
EDIÇÃO 381 - 2ª quinzena de fevereiro/2020
Image                                  

Jornal do Belém Ed 1 - 20/01/2020
Image
Redes Sociais
Image


Jornal do Brás

 

Image

 

Jornal do Brás

 

 

Image

 

Tarde de Chá

Estatísticas
Visitas: 7360493
QUALIDADE DE VIDA PDF
Classificação: / 0
FracoBom 
08-Abr-2015
Image


 Responsabilidade Pessoal: uma virtude a ser conquistada

Marisa Moura Verdade

 

Responsabilidade pessoal é a capacidade de assumir as consequências dos próprios atos. Ser responsável exige discernimento e coerência para honrar a palavra dada, supõe competência para fazer escolhas e tomar decisões, requer comprometimento e coragem para carregar o peso que nossas preferências podem acarretar. Os benefícios individuais da responsabilidade são relacionados ao amadurecimento da personalidade e à habilidade de decidir os rumos da própria vida.  No plano social, representam interesse no bem comum, levando em conta a necessidade de atender expectativas da família, da equipe de trabalho e da comunidade. A origem da palavra responsabilidade refere ao termo latino respondere - "responder, prometer em troca".   Desse prisma, indica a promessa de responder por atos pessoais ou alheios, ou por objetos confiados à sua guarda. É o oposto do descuido, da frivolidade e da imprudência. Irresponsabilidade provoca falta de consideração, insensatez, leviandade, negligência, precipitação ou inconsciência.  Nessas posturas, a tendência é atribuir incumbências e deveres aos outros, culpando alguém pelos próprios erros, duas atitudes que levam à constante repetição das mesmas falhas.  Forma-se assim um círculo vicioso: a culpa é sempre das circunstâncias externas, sejam elas políticas, econômicas, socioambientais ou relacionais.

Responsabilidade pessoal é uma virtude a ser conquistada! O procedimento impõe abertura mental para ampliar a conexão entre o mundo interior e o exterior, pressupondo a influência da própria subjetividade na análise das situações vividas. Como interpretar tal experiência? Pensamos como nossas emoções, palavras e ações interferiram na criação de uma ocorrência favorável ou negativa? Indagamos se nosso modo de ser promove encontros ou desencontros, união ou cisão, cooperação ou rivalidades? O primeiro passo é revalorizar a experiência psicológica, imaginando possibilidades de controle responsável da própria vida. É fundamental compreender que o mundo interior gera vivências íntimas e que elas interferem nas nossas escolhas e decisões.  No plano das opções, respeito à liberdade de expressão e à busca de autonomia são indispensáveis.

Um esclarecimento importante: não existe responsabilidade maior ou menor, existe a responsabilidade. E ela não é imposta de fora para dentro. Quem resiste ou hesita em aceitar incumbências corriqueiras, considerando-as insignificantes ou irritantes, pode pensar que diante de desafios maiores teria uma postura mais séria e empenhada.  Puro autoengano! O enfrentamento de situações frustrantes ou dolorosas provoca o imaginário da vítima, acionando desculpas e justificativas que nos transformam em seres humanos reprimidos e submissos às circunstâncias.  Pessoas responsáveis fazem o que deve ser feito, e pronto! Levam a sério as obrigações mais tediosas do dia a dia. A virtude da responsabilidade é um privilégio de quem deseja mudanças positivas. Transformamos nossa condição física, mental e espiritual trabalhando o próprio caráter, mudando o que é possível mudar ou admitindo o que não pode ser mudado, reinventando o jeito de ser todos os dias, até reconhecer que somos nós o agente e o ator principal da jornada existencial.    

 

 

 

Marisa Moura Verdade é Mestra em Educação Ambiental, Doutora em Psicologia, especializada em Psico-Oncologia. Autora do livro Ecologia Mental da Morte. A troca simbólica da alma com a morte. (Editora Casa do Psicólogo & FAPESP). E-mail: Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar activado para poder visualizar o endereço de email  

 

 
< Anterior   Próximo >
 
Top! Top!