hostconect.net
Jornal do Brás Advertisement
Início seta Notícias Jornal do Brás seta Edição 231 seta São João acende sua Fogueira
19-Fev-2020
 
 
Menu Principal
Início
Edições Jornal do Brás
Notícias Jornal do Brás
Expediente
Links
Contato
Procurar
A História do Jornal
Jornalista Edu Martellotta
Cadastro de Empresas
Onde estamos
Campanha de Assinaturas
Jornal "O Braz"
Aniversário do Brás
Revista O Brazinha
Edições Jornal do Belém
EDIÇÃO 380 - 1ª quinzena de fevereiro/2020
Image                                 

Jornal do Belém Ed 1 - 20/01/2020
Image
Redes Sociais
Image


Jornal do Brás

 

Image

 

Jornal do Brás

 

 

Image

 

Tarde de Chá

Estatísticas
Visitas: 7334463
Flash de Notícias

A partir de agora estarão disponiveis para downloads as Edições do Jornal do Brás e do Jornal do Belém em pdf, para que o internauta leia na íntegra os nossos jornais. Entre na seção de Edições Jornal do Brás e Edições Jornal do Belém do menu principal.

Caso não tenha um leitor de PDF, entre em www.adobe.com e baixe a última versão do Adobe Reader.

Webmaster

 
São João acende sua Fogueira PDF
Classificação: / 1
FracoBom 
19-Jun-2013

Festança está quente até 30 de junho

 

Eduardo Cedeño Martellotta

 

A população moradora do Brás é predominantemente católica. A informação foi transmitida ao Jornal do Brás pelo padre Marcelo Álvares Matias Monge, da Paróquia São João Batista do Brás, que vai completar 105 anos de existência em outubro.

Image

A inauguração da “primitiva capela” ocorreu em 18 de outubro de 1908 e a construção do prédio atual 10 anos depois. Seus benfeitores foram João Boemer, Carlos Augusto Bresser e Comendador José Monteiro Pinheiro.

A S. João Batista era a responsável pelo ensino religioso em todas as escolas do Brás – que em outros tempos abrangia partes do que hoje pertence à Mooca e ao Belém, e já foi a paróquia com o maior movimento religioso e maior número de fiéis de toda São Paulo.

O padre Marcelo, pároco há quase seis anos na São João, contou que hoje, além de brasileiros que trabalham e moram no Brás, muitos bolivianos, peruanos e angolanos frequentam a igreja.

Além do trabalho religioso, a paróquia oferece Aulas de Português gratuitamente para hispânicos todos os sábados, a partir das 17h. Além disso, o local faz um trabalho de atendimento a gestantes e crianças até seis anos de idade com a Pastoral da Criança. E também visita as pessoas idosas através da Pastoral da Pessoa Idosa.

As missas são realizadas aos domingos (8h, 10h e 18h), segundas às 15h, terças às 19h, quartas às 7h, quintas (12h10 e 19h), sextas às 7h e aos sábados às 17h. A paróquia fica na av. Celso Garcia, altura do número 600 (Praça Senador Moraes Barros). Mais informações pelo fone 2693-2645.

Image

Festa na praça até 30 de junho

Até 30 de junho, acontece a tradicional festa de São João Batista, às sextas, sábados e domingos. Das 17h às 22h na sexta e no domingo e das 17h às 23h no sábado. Mais uma vez, os festejos prometem muita alegria, música e barracas com comidas típicas.

Na data magna do santo – dia 24 – haverá missas às 7, 9, 12, 15, 17 e 19h. A paróquia acende a tradicional fogueira no dia 23.

 

 

 

 

 

Image

São João Batista, batizador de Jesus

De acordo com o padre Marcelo Monge, João Batista é o filho de Isabel e Zacarias, sendo Isabel, a prima de Maria. É considerado pela Igreja como o “maior dos profetas”, que foi enviado “para preparar os caminhos do Senhor”. O próprio nome – Yohanan – significa “Deus se mostrou misericordioso”.  

Foi João Batista, aos 30 anos de idade, quem batizou Jesus Cristo, seu primo, no Rio Jordão. João, em princípio, disse o padre Marcelo, resistiu, achando que Jesus é que deveria batizá-lo.

Por isso, São João Batista além de ser batizador, é também considerado o padroeiro das águas. São João é o único santo em que é comemorado o dia do seu nascimento. Nos outros santos celebra-se a sua morte.

 

Image

Por que a fogueira de São João?

O padre Marcelo Monge contou também que São João é o santo mais lembrado das festas juninas por causa da fogueira, que vem de João Batista. Ela existe como tradição porque Maria e Isabel teriam combinado que, quando João estivesse para nascer, acenderiam uma fogueira. “Para que Maria pudesse ver a fogueira e descobrir que estava na hora de socorrer a sua prima e parturiente Isabel”, disse ele, finalizando a entrevista.

 

 

 

 
< Anterior   Próximo >
 
Top! Top!