hostconect.net
Jornal do Brás Advertisement
Início seta Notícias Jornal do Brás seta Edição 231 seta Família e Escola, uma parceria necessária
17-Fev-2020
 
 
Menu Principal
Início
Edições Jornal do Brás
Notícias Jornal do Brás
Expediente
Links
Contato
Procurar
A História do Jornal
Jornalista Edu Martellotta
Cadastro de Empresas
Onde estamos
Campanha de Assinaturas
Jornal "O Braz"
Aniversário do Brás
Revista O Brazinha
Edições Jornal do Belém
EDIÇÃO 380 - 1ª quinzena de fevereiro/2020
Image                                 

Jornal do Belém Ed 1 - 20/01/2020
Image
Redes Sociais
Image


Jornal do Brás

 

Image

 

Jornal do Brás

 

 

Image

 

Tarde de Chá

Estatísticas
Visitas: 7327472
Flash de Notícias

Prezados Amigos,
Prezadas Amigas,


Permitimo-nos apresentar para sua apreciação, a primeira edição do Jornal do Belém, de portas abertas e páginas abertas à disposição dos moradores da região, empresários, autoridades, lideranças comunitárias e simpatizantes, com a mesma dedicação dos mais de 30 anos de nosso Jornal do Brás.
Ao ensejo, rogamos seu incentivo para essa nova bandeira da Região Brás/Belém.

Abraço Fraterno,
Milton George

 


 
Família e Escola, uma parceria necessária PDF
Classificação: / 0
FracoBom 
19-Jun-2013
Image


*Daniele Vilela Leite

Quando pensamos numa configuração familiar de “antigamente”, logo nos vem à cabeça a família patriarcal, na qual o pai era o grande provedor e o polo dominante e a mãe, subalterna, ocupava a posição de cuidadora da família.

Mas os tempos mudaram muito e hoje, em nossa sociedade, além da presença das famílias nucleares, temos várias outras configurações familiares. Temos, por exemplo,  famílias reconstituídas, com filhos e filhas, mães e pais divorciados ou recasados; famílias monoparentais, nas quais apenas o pai ou a mãe assume responsabilidade com os filhos; famílias unipessoais, caracterizadas pelo fato de a pessoa viver sozinha por opção ou por necessidade;  famílias binucleares, nas quais filhos de pais separados vivem sob guarda compartilhada;  famílias homoafetivas, formadas por casais do mesmo sexo com filhos;uniões consensuais, nas quais os casais não formalizam sua união; e casais sem filhos por opção, entre outras. Finalmente, como aumentou muito o número de casais que se separam, também cresceram as famílias monoparentais sustentadas por mulheres.

Diversas causas – sociais, culturais, econômicas, afetivas e até tecnológicas – explicam essas novas configurações. Mas o fato é que essas mudanças nos colocam novos desafios, entre eles o resgate da participação da família na vida escolar de seus filhos. Pois é sabido que, quando os pais não acompanham nem participam das atividades dos filhos na escola, estão de certa forma ajudando a aumentar a evasão escolar; o absenteísmo; a falta de comprometimento com os estudos; e as dificuldades de aprendizagem, entre outros problemas que contribuem para o fracasso escolar.

Precisamente com o objetivo de resgatar esse elo entre Família e Escola foi criado um programa chamado Pró-Família Harvard, desenvolvido pela empresa Planeta Educação. Esse programa é baseado em um projeto criado pela Universidade de Harvard, em Boston (EUA), denominado Havard Family Research Project e adaptado à realidade brasileira.

O conceito orientador do Pró-Família Harvard é simples: ao invés de culpar uns aos outros, professores e pais atuam como parceiros, de maneira a estabelecer relações e a construir confiança mútua, utilizando o tempo de convivência para dividir sonhos, expectativas e experiências, visando o sucesso social e acadêmico dos alunos.

Com metodologia inovadora, profissionais devidamente preparados visitam as residências dos alunos. Nessas visitas, o Agente Educacional conversa com a família, orientando pais e responsáveis sobre a importância da participação deles junto à escola. São oferecidas às famílias dicas simples e práticas, mas que fazem toda diferença na hora do estudo da criança em casa. Coisas como a importância da participação da reunião de pais; de ter um local adequado para realização da lição de casa, de se determinar um horário para estudos, entre outras. Em contrapartida, escola e professor recebem um retorno sobre cada aluno, com a realidade de cada criança ou adolescente. Com esse retorno, pode-se entender melhor a dinâmica familiar de cada aluno e, desta forma, mudar o olhar e ter um diferencial no trato com esse aluno. Com a visita, a criança se sente mais importante, melhora sua autoestima e, comprovadamente, melhora seu comportamento e desempenho acadêmico no ambiente escolar.

*Daniele Vilela Leite é  Orientadora Educacional na empresa Planeta Educação (www.planetaeducacao.com.br); Formada em Serviço Social pela Univap, com larga experiência em trabalhos relacionados à Educação.

 

 

 
< Anterior   Próximo >
 
Top! Top!